terça-feira, 2 de outubro de 2012

Distonia focal do músico

Distonia focal do músico

A distonia focal do músico é um distúrbio neurológico que se caracteriza pelas contrações involuntárias ao tocar. É decorrente da plasticidade cerebral. A plasticidade é na maioria das vezes vista como algo positivo. É ela que nos permite aprender. É também devido a ela que algumas pessoas depois de uma AVC recuperam algumas funções perdidas, pois o cérebro faz conexões por outros caminhos.
A distonia focal é uma consequencia negativa dessa plasticidade. No momento de estudo, o cérebro do músico faz conexões indesejadas que geram as contrações involuntárias. Em pianistas, em geral, os problemas surgem na mão direita. Os dedos não obedecem aos comandos.
São interessantes as teorias dos neurologistas. Ao estudar muito a independência de dedos, o mapa do cérebro responsável pela área de cada dedo cresce, sobrepondo a área de dedos vizinhos.Ao fazer passagens rápidas, o cérebro processa como se dedos vizinhos fossem um só e confunde o comando deles.
Dentre músicos que foram atingidos pelo mal, podemos citar os pianistas Leon Fleisher e Gary Graffman; os violonistas Bad Assad, David Leisner e Zezo Ribeiro; o oboísta Alex Klein. Há suposições também de que Glenn Gould em certo momento da carreira tenha sofrido do mal.
Um dos tratamentos utilizados é injetar Botox no braço. O pianista Leon Fleisher afirma ter voltado a tocar devido ao uso de Botox no braço direito. Após 40 anos sem tocar com a mão direita, ele gravou o disco two hands
Tem um outro tipo de tratamento, o SMR (Sensory Motor Returning) que imobiliza os dedos que realizam movimentos compensatórios. Sâo realizados estudos dessa forma até que cessem os movimentos involuntários.
Uma pesquisa foi realizada entre pianistas distônicos. Todos eles abaixavam o metronômo até a velocidade em que não havia movimentos distônicos e subia aos poucos. Este procedimento deu resultado. Os movimentos distônicos cessaram ou diminuíram muito.
Já o Tauman Institute realiza um trabalho com uma abordagem de alinhamento do corpo que ajuda muitos pianistas nessa condição. Em geral, ao modificar a postura inadequada, os movimentos involuntários desaparecem ou diminuem muito. Deixo o link de dois sites para quem quiser visitar.
http://www.wellbalancedpianist.com
http://www.taubman-institute.com/html/home.html

O distúrbio parece estar associado a um tipo de personalidade: perfeccionista, rígido consigo mesmo e obsessivo. Este assunto me interessa, pois eu mesma passei por esse problema. No meu caso, houve vários fatores para começar a ter o problema: estudo excessivo sem pausas e alongamentos, obsessão, postura inadequada, mudança de técnica, ansiedade e perfeccionismo. O que aconteceu comigo é uma longa história. Depois posto contando com mais detalhes.

2 comentários:

  1. Oi, td bem? Vc chegou a postar um pouco do q aconteceu com vc? Estou passando maus momentos com esse distúrbio, sou guitarrista e isso me acomete há uns dois anos e se for possível gostaria de conversar um pouco com vc sobre o assunto. Muito obrigado, gostei do texto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gabriel. Acabei nao contando com mais detalhes o que aconteceu comigo aqui no blog.Mande-me um e-mail para alinepiano@yahoo.com.br para conversarmos mais.

      Excluir